Relembrando ... Primeira viagem de moto, quando quase td da errado

Hoje estava pensando, ainda não postei sobre minha primeira viagem de moto nesse blog, no de tecnologia deixei registrado, mas vale o relato aqui tbm...

E olha, se a primeira impressão é a que fica, as coisas deram tão erradas que hoje eu deveria ficar escondida embaixo dos cobertores rsrs mas é mto mais legal dar risada de tudo e tentar novamente ;-)

Segue aí a história, mas fique sentado, SÉRIO, estou só pensando na sua segurança, vai rir demais :-$ kkk

"No dia 05 de fevereiro de 2011 fiz minha primeira viagem de moto, e sozinha, para Santos, a fim de comparecer ao encontro do GCC-SD , um encontro de Software Livre, e adianto desde já que foi muito divertido, mesmo com as trapalhadas, quero de novo \o/


Relato abaixo a minha viagem, fiz uma cópia do meu post no fórum das Pequenas Notáveis.


" Olá a todos, finalmente tenho um relato para também contar aqui no PN, depois de ler tantas histórias e sonhar com várias delas, também decidi colocar o pé na estrada.


Tenho moto a apenas 5 meses, e por ser a primeira, achamos melhor comprar uma beeeem usada, apenas reformá-la para que pudesse ir treinando, a ideia de cair com uma zero por causa de navalhada de iniciante não é muito agradável. Embora, por enquanto, ainda sou da turma dos que vão cair, nada de batizar o chão :-D nesse link é possível conferir algumas fotos.


Ela ficou linda né :-$ , e está despertando cada vez mais minha paixão pelas duas rodas.


Trabalho com informática, e sou apaixonada por Software Livre, sempre participando e promovendo eventos, esses encontros entre as comunidades são muito enriquecedores, e é fantástico conhecer tantos profissionais que se interessam e defendem a mesma causa → A liberdade dos usuários!


Um desses encontros ocorre todo primeiro sábado de cada mês, na cidade de Santos – SP com o grupo do GCC-SD (Grupo de Compartilhamento do Conhecimento Santos Dumont ), teoricamente a + - 131 Km daqui de Várzea Paulista - SP.


Na sexta feira, quando ví o convite pelo twitter, logo me empolguei a ir, mas confesso que com um pouco de receio, nunca havia ido para Santos, não conhecia as estradas, quando viajamos de carro vou e volto dormindo, raramente presto atenção, nunca nem tinha andado numa pista com a moto, é sempre na cidade de casa para o trabalho – do trabalho para a faculdade – e da faculdade para casa, nada com grandes riscos … mas a vontade de ir pra estrada foi maior.


Depois de conversar com os meus pais, de ser chamada de louca, de ser ameaçada porque disseram que se algo acontecesse comigo não era para ligar pra eles, levantei 6 hs, me arrumei, peguei tudo o que achava que poderia usar e fui. Imprimi um mapa, estudei o caminho, anotei tds os detalhes e alguns telefones caso precisasse de ajuda. Mesmo relutando, meu pai me indicou ir pelo Rodoanel, que ficaria mais prático.


Coloquei R$20 de combustível, o suficiente para encher o tanque, conferi o óleo, tudo ok, só faltava ir mesmo. Planejei ir por Jordanésia para pegar o Rodoanel, confesso que na primeira vez que um caminhão me ultrapassou, quase voltei pra casa, fiquei gelada kkkk mas fui em frente, foi tranquilo pegar a anhanguera, e depois o Rodoanel, as placas indicavam bem como cair na Imigrantes, só senti falta de um posto de gasolina, depois de uns 80 km já estava ficando com o corpo dolorido. Assim que entrei na imigrantes, encontrei o primeiro posto, olha a minha motoka passando vergonha ao lado dessas belíssimas máquinas.





Umas das coisas que achei mais legal foi meio que a “cumplicidade” entre os motociclistas, porque na ida, dois que passaram por mim me cumprimentaram com um tremendo sorriso, sinceramente me transmitiram o prazer que estavam sentindo na viagem, isso foi muito encantador. Bem até aí estava só alegria, agora é que os problemas começam, e me perdi pela primeira vez kkkk num total de 3. Eu sei que só indo reto na imigrantes, já cairia em Santos, mas estava com um pouco de transito e ví nas placas que pela Anchieta o tráfego estava normal, então cai na besteira de querer pegar a Anchieta, até porque no meu mapa eu deveria ter ido por ela – google maps fail ¬¬'.Outra besteira que cometi foi desligar o farol, não conheço nenhum motociclista aqui na região para me orientar, e sinceramente, a uns 4 anos quando tirei habilitação, devo ter dormido nessa aula. Pro meu azar tinha uma blitz na pista, e além de ele ter me avisado que eu estava totalmente errada no caminho, levei minha primeira multa :'( e um tremendo sermão :'(


O guarda então me explicou que indo reto naquela estrada mesmo, iria cair no centro de Santos, e foi o que aconteceu, mas passei por uns lugares bem estranhos, parei num centro automotivo para pedir informação de como chegar na faculdade onde seria o encontro, e acho que ele mal sabia em que cidade estava, muito menos pra me ajudar. Num sinal de transito perguntei pra outro motociclista que me guiou até lá, achei facilmente a faculdade, e a reunião foi bastante interessante.


Na programação, teve como atividades um coding dojo ensinando a programação de um blog, e depois uma palestra sobre “Programando Melhor - Independente da Linguagem”, conteúdo bastante interessante.





Depois do “encontro informativo” era hora do “encontro etílico” (bate papo num boteco), e tínhamos um motivo especial, ontem foi o lançamento do Debian como uma versão estável (Debian é uma distribuição GNU/Linux fantástica, maiores informações – [url=http://www.debian.org/index.pt.html]http://www.debian.org/index.pt.html[/url]). Olha aí o brinde pelo Debian:











Já que me disseram que o Infog nunca bebia, vou registrar aqui também :-P





Depois de altos papos e várias histórias sobre usuários, lá pelas 16:30 hs fomos embora, e foi muito legal conhecer a galera do GCC-SD, pessoal animado e engajado.


Lá em Santos não quis aproveitar e ir na praia, apenas dei uma olhada enquanto passava pela avenida, meu amigo Kretcheu gentilmente me guiou até uma determinada parte para que eu conseguisse pegar a imigrantes, mas... me perdi novamente, pela segunda vez, eu deveria ter ido reto, mas como ir reto numa bifurcação? A maioria dos carros estavam virando a direita, fui com o fluxo, e fui parar em outro lugar muito estranho, asfalto esburacado, quase sem sinalização, depois de um tempo, achei um grande supermercado e ia pedir informação, mas ví outro motociclista e pedi ajuda, me falou que errei totalmente a saída, mas ele me guiou e explicou como pegar novamente a Imigrantes.


Subindo a serra foi tranquilo, muito legal passar pelos vários túneis, mais legal ainda é sair deles … consegui pegar o Rodoanel novamente, e estava voltando que era uma beleza, até parei um momento para tirar uma foto da paisagem, é engraçado como de carro tudo isso passa despercebido.








Mas como estava ficando tarde, nada de enrolar. Fui indo … indo … indo, e fui demais, passei a entrada para Jundiaí, pra falar a verdade até agora não sei onde é que deveria ter entrado, as placas não ajudaram =/ fui parar em Mauá, perdida pela terceira vez, nada de achar alguém ou algum posto para perguntar. Depois de muito tempo encontrei um, mas aí já estava totalmente fora do meu caminho. Lá me informaram que agora eu deveria pegar a Ayrton Senna, para cair na Marginal Tietê, depois pegar a Bandeirantes e chegar em Jundiaí (cidade ao lado da que moro e que sempre serve como referência). Só de raiva e receio de errar novamente, a cada posto que eu passava parava pra confirmar se estava indo certo, com isso foram 3 paradas, mas nessa parte foi tudo ok.


Caí na Marginal, e fui seguindo como orientaram. Numa parte dela, coisa que eu não imaginava, era via expressa, e por isso não pode passar moto, do momento que eu ví a placa até conseguir ir pro acostamento e parar levou alguns metros, com medo de pegar outra multa, voltei empurrando a moto até pegar a via ao lado, realmente não pode passar por lá? :# Poxa vida viu, que mancada :s


Passei pelo Rio Tietê e comprovei que a coisa está realmente feia e fedida por lá, sorte a minha que raríssimas vezes preciso ir a capital, e por isso nem passo por lá. Parei num posto policial e me disseram que eu veria uma ponte para entrar na Bandeirantes, mas como lá é confuso para quem não conhece, em várias vezes quase peguei a via errada novamente, um caso sério viu :d


Depois de um tempão e nada de achar a tal ponte, estava começando chover, e ví um motociclista embaixo de um viaduto colocando a capa, claro que aproveitei para perguntar novamente, e esse foi o melhor momento da viagem de volta, não ficamos lá nem 5 minutos, mas ele me contagiou. Claro que deu risada quando soube da minha “aventura”, e de como eu estava perdida naquele lugar, disse que semana passada caiu na Marginal Tietê e estava com o braço cheio de machucado, mas em nenhum momento pensava em parar de andar de moto, disse: “ Você que está vindo de Santos, não tem sensação melhor do que estar sobre a moto, quando vê aquele monte de carro parado e gente estressada, você lá, de moto, passando tranquilamente e deixando tudo aquilo para trás, isso não tem preço, é muito bom” - e passei a concordar totalmente com ele. Foi muito bom tê-lo encontrado, até porque a saída para a Bandeirantes estava bem perto, e provavelmente passaria despercebida por mim, ele foi comigo até uma parte, me dando todas as dicas do retorno. Essa parte foi 100% segurança ¬¬' estava anoitecendo e chuviscando, mas deu tudo certo, peguei a Bandeirantes, e aí comecei a me familiarizar com as placas, reconhecendo as cidades próximas. Depois de uns 60 Km, finalmente cheguei em Jundiaí, e para o meu alívio, dentro de poucos minutos estava em casa, tudo bem que estava dolorida e com calo nas mãos, mas de espírito renovado.








No total foram 339 Km percorridos \o/ :OK:


Pensando bem agora, alguns podem até me achar meio inconsequente por sair assim, mas garanto que pensei e planejei bastante, as coisas só deram um pouquinho errado ;-) se deixarmos o medo nos impedir de fazer as coisas, com certeza não andaríamos de montanha russa, não assistiria “O exorcista” (se bem que ainda não tive coragem de assistir :-$ ) e nem tomaria leite com manga, já que tudo isso poderia ser um risco, e principalmente, não teria tido essa maravilhosa experiência, a ponto de até contar aqui no PN.


Agora gostaria muito de conhecer outros motociclistas daqui da região, conheço apenas meu amigo Cálcio que por sinal foi quem me indicou o PN, e sou muito grata pelas várias dicas que me dá, pena que more tão longe =/ .Percebi que “uma vez na estrada”, aumenta o desejo do “sempre na estrada”.


Resoluções para a próxima viagem:


1-) Nunca mais desligar o farol, nunca, nunca, nunca...
2-)Comprar luvas e óculos de sol, a viseira não protege o suficiente, e ter calos também não está com nada
3-)Um baú seria muito útil, carregar tudo na mochila cansa
4-)Me informar ainda mais sobre o caminho, conhecendo outras possíveis rotas
5-)O mais breve possível pegar uma moto mais veloz, meu próximo investimento será uma Bros :D mal posso esperar :D




bjs, td de bom a tds ;)"


\o/ Quero de novooooooooooooo!!! Vou só esperar pagar a multa pelo menos, sabe como é vida de estudante né :-P"

Comentários

  1. Sou motociclista há 30 anos e sou apaixonado por viagens de moto,você está de parabéns pela viagem, entretanto, se vc quer umo moto mais rápida a bross não irá lhe satisfazer, seria melhor uma moto 250 cc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá o/ que pena que não falou seu nome =/

      então, nessa época, que foi em fevereiro do ano passado eu tinha a titanzinha, e aprendi que realmente não vale a pena fazer up de 125 cc para 150 cc apenas, principalmente para meus planos que é sempre viajar, então depois de alguns meses peguei uma Fazer 250 cc, que por sinal é a minha moto que aparece em quase tds os post's aqui do blog ;-) mas já estou de olho em trocar por uma maior rsrs

      vlw a visita ;-)

      bjs,

      Att Noellen

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

18/11 - Ushuaia, o sonho realizado

16/11 - Rumo a Ushuaia, mas incompletos

15/11 - O dia que as coisas não saíram como o planejado