Easy Rider - Sem Limites

Acabei de assistir pela primeira vez o filme Easy Rider, já me disseram que é obrigação de todo motociclista assistir, então foi interessante conhecer a obra, e garanto, realmente vale a pena!!!

Primeiramente é interessante conhecer o contexto e observar o roteiro e suas demonstrações das atitudes americanas da época, como os hippies, o uso intenso das drogas, o preconceito e os conflitos sociais, mas na minha opinião, a melhor parte da obra se resume num curto diálogo que me fez refletir:

"George: Sabem, esta cidade já foi muito boa. Não entendo o que está acontecendo com ela.
Billy: Todos viraram covardes, é isso. Não podemos nem ficar num hotel de segunda classe. O cara achou que a gente fosse matá-lo. Eles têm medo.
George: Eles não têm medo de você, mas do que você representa.
Billy: Cara, para eles, só represento alguém que deveria cortar o cabelo!
George: Não. Você representa para eles a Liberdade.
Billy: E o que há de errado com a liberdade?! É disso do que se trata!
George: Sim, é disso do que se trata. Mas FALAR sobre isso e SER isso são duas coisas diferentes, quer dizer, é difícil ser livre quando se é comprado e vendido no mercado. Mas nunca diga a alguém que ele não é livre… Por que ele vai tratar de matar e aleijar para provar a você que ele é. Eles falam e falam sem parar de Liberdade Individual… Mas quando vêem um Indivíduo Livre, ficam com medo.
Billy: Eu não boto ninguém pra correr de medo.
George: Não. É você quem corre perigo."

E logo após mostra o perigo de "tentar" ser livre, e quantos de nós já não vimos atitudes semelhantes, se não em ações... mas em palavras tentando destruir algo tão importante que esse sentimento representa.

E o engraçado é que sendo alguém que preza tanto isso, vejo esses mesmos ataques em tantos campos da vida. Na utilização de Software Livre, por exemplo, quantas vezes já não ouvi piadinhas ridicularizadoras por defender essa causa? Muitos nem querem se informar sobre do que se trata, mas fazem questão de atacar a busca de liberdade de outros.

Como motociclista... o próprio filme já demonstra claramente o desejo de sufocar essas atitudes, é, pegar uma moto e sair por aí é coisa de gente maluca, sem o que fazer, ou sem compromisso com o sistema ... ir sozinha então?!!! Você tem que definir suas prioridades, arranjar alguém e ficar quieta em casa!

Não concordar com todas as regras religiosas? Você não pensava assim, quem está fazendo a sua cabeça? Esses seus amigos ... sempre esses seus amigos!!! E aí vira motivo de preocupação de parentes ou de supostos amigos que são os primeiros a "aconselhar", mas os últimos a incentivar a autenticidade de cada um.

Mesmo com tantos ataques, e as vezes ficando com o espírito condoído pelas palavras, sinceramente, sabe o que realmente acho?

Liberdade é pouco!!! O que eu desejo ainda não tem nome!!!
Clarisse Lispector






Recomendadíssimo!!! Segue o link para quem desejar conferir tbm o filme na íntegra:


Comentários

  1. Que show!

    Esse diálogo é a chave do filme (e do resto da cultura motociclística, na minha opinião).

    São raros os que vêem esse filme por 10 ou 20 vezes e pegam essa essência, ainda mais com esse alcance.

    Parabéns.

    Haendel

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

18/11 - Ushuaia, o sonho realizado

16/11 - Rumo a Ushuaia, mas incompletos

15/11 - O dia que as coisas não saíram como o planejado