06/03 - De Abunã RO a Xapuri AC

Eis que chegou o dia D, já havíamos superado vários desafios, mas agora a situação não estava em nossas mãos, dependíamos da Balsa para atravessar o Rio Madeira, e as notícias não eram nada animadoras.

Mas vamos desde o começo... havíamos chegado na noite anterior em Abunã e ficamos numa pousadinha simples por R$20 cada quarto, até aí tudo bem, estávamos exaustos... um colchão no chão já seria suficiente rsrs


Eu capotei que não consegui tirar nem a calça jeans, do jeito que deitei fiquei, o cansaço era demais mesmo!!! Acordei de madrugada doida por um banho, mais ou menos as 5 da manhã, e qdo vou pro chuveiro... gelado!!! Ohh sofrimento viu, exausta e banho gelado, mas era o que tinha né, então tá valendo rsrs.

Por volta das 7 hs fomos ver como estava a situação da balsa, só então notamos que tinha uns 70 caminhoneiros esperando para passar tbm. Haviam feito uma tentativa no dia anterior de mudar o ponto de parada da balsa, mas tiveram a capacidade de jogar terra e um pouco de pedra apenas, resultado? Um dos caminhões, carregado de carne, ficou atolado, e isso impedia qualquer tentativa de ir ou vir. Estavam dessa vez tentando fazer a coisa direito, mas o caminhão continuava lá atolado para desespero do responsável.




Nosso café da manhã foi em um dos barzinhos, o local não tinha mais estrutura, já faltava gás e até comida.


Vários moradores tiveram suas casas alagadas por lá tbm, e estavam de improviso em galpões e na única escola da cidade.


Conversamos durante um bom tempo com vários caminhoneiros, e como foi duro ouvir deles mesmo o desinteresse das autoridades por essa situação. Alguns deles estavam lá a 3 dias e nada de solução. Um deles ficava me pedindo para tirar fotos e colocar na internet, só assim pra denunciar tamanho descaso e despreparo. Não estavam lidando apenas com interesses comerciais, era todo um estado isolado, precisando de mantimentos... ficamos sabendo que as máquinas que estavam lá haviam sido mandadas pelo Acre, porque o governo de Rondônia realmente não estava nem aí, já tinham mtos problemas em Porto Velho e Jaci né ... é cada um no seu quadrado ¬¬'



Cada vez que chegava uma balsa, eles mesmo falavam que os rostos se enchiam de esperança em sair daquela situação. Depois de umas 2 horas esperando, eis que chegou a primeira balsa do dia, estava carregada de caminhões com pedra, justamente para tentar fazer um caminho para que os outros caminhões conseguissem embarcar.

Por estarmos de moto, combinamos com o pessoal e partimos nessa mesmo, era só passar o atoleiro... e aí estava mais um desafio. Fui a primeira a passar, mas os caras ficaram me zuando, bando de picaretas viu ¬¬ rsrs

Lembro de um que um amigo dele o chamou para ir no caminhão, e ele falou: "Não, peraí que vou ver a motoqueira passar", e formou esse bolo de gente só pra nos ver, ou melhor, me ver e me zuar, foi muita pressão viu, sacanagem ¬¬' ouvi de tudo, desde que eu iria aprender a fazer baliza até um Uhhhh quando a moto morreu no meio do caminho  ¬¬'


Mas passei, sem tombo e com esse povo todo olhando kkkkkkk tenso, mto tenso ¬¬' tremendo micão rsrsrs






O Carlos tbm passou tranquilo e havia mais uma cg para embarcar, é ruim saber que eles continuariam lá, esperando ... mas não tinha o que fazer, precisávamos seguir nossa rota.




Olha a situação das pessoas, bota nova? Nunca mais será :-P


Ao desembarcar da balsa vimos a fila de caminhão tbm do outro lado, contei 44, td mundo ansioso e esperançoso.


Pouco depois da balsa tivemos o quarto e último alagamento para atravessar, esse deu trabalho pq não tinha guincho. O DNIT "brilhantemente" teve a ideia de quebrar o asfalto, encher de pedra e assim tentar construir diques para a água não alcançar a rodovia, mas a ideia não deu certo e a água invadiu td da mesma forma, então estava com água cobrindo as rodas, um monte de pedras e buracos do asfalto quebrado, foi tenso!!!




Filmei essa parte toda, quando voltar de viagem editarei as imagens, fiquei com mto medo de cair em algum buraco, me desequilibrar e sei lá... entrar água no motor... mas felizmente tudo certo, mais um desafio superado e chega da cota de alagamentos \o/ rsrsrs


Mas surgiu um problema, o Carlos tinha entrado num buraco e forçou muito a embreagem para sair, com isso queimou e nao teve jeito, teve que trocar.


Ainda bem que encontramos a loja do Willyan, rapaz super gente boa e muito prestativo, contato recomendado a quem passar por Vista Alegre do Abunã RO


Foi engraçado que por todos os lugares que passávamos nos perguntavam se tínhamos conseguido atravessar Rondônia, faziam cara de assustados ao falarmos da situação, Inclusive ficamos sabendo nesse dia que o DNIT havia cancelado a passagem de caminhão naquele trecho de 20 kms, isso pq a estrutura de uma das pontes estava abalada e não teria jeito, tinha que esperar a água baixar e consertar, ou seja, mais um dia apenas e não teríamos conseguido atravessar.

Bem, pegamos a estrada sentido Acre, o coração batia forte, a partir dali a sensação era que nada mais nos impediria.



De repente, eis que surge um motociclista pareando com minha moto e me perguntando se éramos quem o pessoal de Rio Branco estava esperando. Demorou cair a ficha mas éramos nós mesmos rsrs por termos ficado alagados, sem celular e sem internet, nem consegui avisar o Eduardo, representante AME de Rio Branco que não daria tempo de passar por lá, uma pena :-(

Mas foi o máximo o Ema ter aparecido, se colocou a disposição para avisar o Eduardo e nos deu várias dicas sobre o trajeto. Os poucos kms que rodamos juntos foram momentos de alegria e orgulho por tamanha preocupação que estavam tendo conosco.


Poucos kms depois, eis que a placa mais desejada até então havia chegado, estávamos na divisa com o Acre \o/ Precisava de muito mais que 18 metros de água em Rondônia, 4 alagamentos e 1 banho gelado para nos impedir de realizar esse sonho, e estávamos lá, simples assim :-)


Sinceramente não aguentei segurar e caí em lágrimas rsrs e o Carlos ficou tirando foto e rindo de mim, mas só eu mesma para saber como desejei, sonhei e planejei tudo isso, foi esforço demais, e a recompensa havia chegado!!!


Agora era curtir e tirar milhões de fotos pra comprovar que o Acre existe!!! E estávamos lá!!!





E como promessa é dívida, lembrei de pegar a pedra que o pessoal do meu trabalho havia pedido rsrs uma prova física do Acre !!!!




Da minha casa até lá foram exatamente 3406.6 kms.


Bem, a rodovia estava tranquila, alguns trechos bons... outros nem tanto... mas foi tudo bem.



Essa é uma das partes da rodovia não tão boa assim, ops, cade a rodovia?


Ao parar em um dos postos, olha quem achamos por lá? Legal demais reconhecer os amigos de estrada rsrs e agora nossa marca tbm está lá ;-)


 
As cidades no Acre são bem distantes, estava anoitecendo e nada de aparecer alguma. Eis que chegamos então em Xapuri, conhecida como a terra do Chico Mendes.




Começamos a procurar hotel e nos indicaram o Veneza Hotel, era o melhor da cidade e preço bom, ao chegar lá.... uma decepção, mto fraco, maaaass nosso nível de exigência havia caído muito né, serviria desde que .................. tivesse chuveiro quente.


Quando fui conferir... o que acham? Água gelada de novo ¬¬'

Fui perguntar pra dona se não tinha outro quarto, ou pelo menos outro banheiro que pudéssemos usar, ela teve a coragem de me dizer: "Ahhh minha filha, não tem nenhum chuveiro quente, mas está tão calor, vcs não podem tomar banho gelado mesmo? ".

Olhei para a parede e ví esse certificado dado pela cidade como um dos melhores hotéis da cidade, sinceramente fiquei com medo dos outros, então paciência né, vai banho gelado mesmo, de novo ¬¬'


Bem, a lição que tirei desse dia foi que conseguimos!!! Conseguimos continuar na busca por nosso sonho, precisaria de muito mais que 18 mtrs de água em Rondônia, 4 alagamentos, 1 embreagem queimada e 2 banhos gelados para nos impedir de cumprir esse objetivo, então bora bora \o/ mais uma bandeira para o colete, e no dia seguinte: Rumo ao Perú \o/


Comentários

  1. Caramba, quantos desafios pelo caminho, ainda bem que estão tirando de letra rsrs
    Fico na torcida acompanhando cada km

    ResponderExcluir
  2. Uma boa aventura... não existe nada igual ,,estou gostando de acompanhar ...
    Um abraço a todos...

    ResponderExcluir
  3. Ótima aventura, no aguardo dos proximos relatos

    muito boa a ideia da prova física que o acre existe

    ResponderExcluir
  4. Que blz, bela viagem e vamos que vamos juntos e misturaos

    ResponderExcluir
  5. Encare as coisas como vêm! Aventura é isso (entre outros). Houve um tempo em que hotéis assim, com banho frio, eram comuns até no Goiás (e quando o Goiás também era sinônimo de estado pouco desenvolvido e era visto como igual ao Acre e o resto do Norte) Acaba fazendo parte da cultura local. Absorva-a. (como se fosse fácil..rs)

    Abraço e continuem em frente! Parabéns!
    haendel.

    ResponderExcluir
  6. VALEU, DEUS CONTINUE TE ACOMPANHANDO, FÉ.

    ResponderExcluir
  7. Belos relatos sobre uma viagem ímpar e inesquecível. Continuem firmes.

    Estou curtindo cada letra e cada foto. Sonhando, viajando.

    Um abraço aos dois. E quando der vamos fazer um BV por aqui. Adoro ouvir histórias.

    Té +.

    WeekendBikeRider - Tenere Club

    ResponderExcluir
  8. parabéns pelo relato dessa viagem muito emocionante, quanto ao prêmio desse hotel foi em 2007 tai doido!!!!! sempre na garupa

    ResponderExcluir
  9. Acompanho todos os dias essa linda viagem! Parabéns e muitos quilômetros na garupa! Obrigado por proporcionar estes relatos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

18/11 - Ushuaia, o sonho realizado

16/11 - Rumo a Ushuaia, mas incompletos

15/11 - O dia que as coisas não saíram como o planejado